UPS publica resultados do 2º trimestre de 2021

A UPS (NYSE:UPS) anunciou hoje uma receita consolidada de US$ 23,4 bilhões no segundo trimestre de 2021, um aumento de 14,5% em relação ao segundo trimestre de 2020.
Hero1440x752px.jpg tablet768x760.jpg Hero1023x960px.jpg
  • Receita consolidada de US$ 23,4 bilhões, um aumento de 14,5% em relação ao mesmo período do ano passado
  • Lucro operacional consolidado de US$ 3,3 bilhões, um crescimento de 47,3% em relação ao mesmo período do ano passado; e um crescimento de 40,8% em base ajustada* 
  • Lucro diluído por ação de US$ 3,05, com aumento de 50,2% em relação ao mesmo período do ano passado; lucro diluído por ação de US$ 3,06, com aumento de 43,7%

ATLANTA – A UPS (NYSE:UPS) anunciou hoje uma receita consolidada de US$ 23,4 bilhões no segundo trimestre de 2021, um aumento de 14,5% em relação ao segundo trimestre de 2020. O lucro operacional consolidado foi de US$ 3,3 bilhões, 47,3% maior em comparação com o segundo trimestre de 2020 e 40,8% maior em uma base ajustada. O lucro diluído por ação foi de US$ 3,05 no trimestre, 50,2% acima do mesmo período em 2020 e com um aumento de 43,7% em uma base ajustada.
 

Com relação ao segundo trimestre de 2021, os resultados conforme as normas GAAP incluem transformação pós-tributação e outros encargos no valor de US$ 11 milhões, o que equivale a US$ 0,01 por ação. Também no segundo trimestre, a empresa concluiu sua alienação da UPS Freight em 30 de abril. A venda desencadeou um novo cálculo de determinados planos de benefícios previdenciários e pós-aposentadoria nos Estados Unidos. Com isso, os passivos previdenciários e pós-aposentadoria da UPS foram reduzidos em US$ 2,1 bilhões. O novo cálculo não teve impacto significativo sobre o lucro líquido consolidado da empresa no segundo trimestre. No acumulado do ano, o caixa operacional foi de US$ 8,5 bilhões, um aumento de 42,2% com relação ao mesmo período de 2020, com um fluxo de caixa livre de US$ 6,8 bilhões, um aumento de 74,7% com relação aos primeiros seis meses de 2020.

"Quero agradecer a todos os UPSers por executarem nossa estratégia e prestarem um serviço de alto nível, o que gerou resultados financeiros recordes no segundo trimestre", agradeceu Carol Tomé, CEO da UPS. "Graças à nossa estrutura melhor, não maior, estamos fazendo nosso mundo progredir, entregando o que importa."    

Segmento doméstico dos EUA

 

 

2.º trimestre de 2021

Ajustado

2.º trimestre de 2021

 

2.º trimestre de 2020

Ajustado

2.º trimestre de 2020

Receita

US$ 14.402 M

 

US$ 13,074 bilhões

 

Lucro operacional

US$ 1.567 M

US$ 1.675 M

US$ 1,182 bilhão

US$ 1,215 bilhão

  • A receita aumentou 10,2%, impulsionada por um crescimento de 13,4% na receita por peça a partir de uma forte melhora em todos os produtos.
  • A margem operacional foi de 10,9%; a margem operacional ajustada foi de 11,6%.

Segmento internacional

 

.

2.º trimestre de 2021

Ajustado

2.º trimestre de 2021

 

2.º trimestre de 2020

Ajustado

2.º trimestre de 2020

Receita

US$ 4.817 M

 

US$ 3,705 bilhões

 

Lucro operacional

US$ 1.184 M

US$ 1.190 M

US$ 771 milhões

US$ 842 milhões

  • A receita aumentou 30,0%, liderada pela Europa.
  • A margem operacional foi de 24,6%; a margem operacional ajustada foi de 24,7%.

Segmento de soluções de cadeia de suprimentos

 

 

2.º trimestre de 2021

Ajustado

2.º trimestre de 2021

 

2.º trimestre de 2020

Ajustado

2.º trimestre de 2020

Receita

US$ 4.205 M

 

US$ 3,680 bilhões

 

Lucro operacional

US$ 507 M

US$ 408 M

US$ 259 milhões

US$ 267 milhões

  • A receita cresceu 14,3%, impulsionada pela forte demanda em quase todas as empresas.
  • A margem operacional foi de 12,1%; a margem operacional ajustada foi de 9,7%.

Perspectiva

Com relação a 2021, a empresa está projetando uma margem operacional consolidada de aproximadamente 12,7% e um retorno sobre o capital investido de cerca de 28%. Além disso, a empresa está reafirmando seus planos de alocação de capital para 2021:

  • Planejamos ter despesas de capital da ordem de US$ 4 bilhões.
  •  Amortizações de dívidas de longo prazo no valor de US$ 2,55 bilhões foram concluídas.
  • Espera-se que a alíquota efetiva para o restante do ano seja de cerca de 23%.

*Os valores “ajustados” são medidas financeiras que não correspondem às normas GAAP. Consulte o apêndice deste comunicado para ler uma explicação sobre medidas financeiras que não correspondem às normas GAAP, inclusive com uma reconciliação com a medida GAAP mais estreitamente correlacionada.

Contatos:

Assessoria de Imprensa da UPS: 404-828-7123 ou pr@ups.com
Relação com Investidores da UPS: 404-828-6059 (opção 4) ou investor@ups.com

# # #

Informações sobre a teleconferência

A CEO da UPS, Carol Tomé, e o CFO Brian Newman discutirão os resultados do segundo trimestre com investidores e analistas durante uma teleconferência às 8h30 ET (horário da Costa Leste dos EUA), em 27 de julho de 2021. A chamada estará aberta a outras pessoas através de um Webcast ao vivo. Para acessar a videoconferência, entre em www.investors.ups.com e clique em “Earnings Conference Call”. Informações financeiras adicionais estão incluídas nas tabelas financeiras detalhadas que estão sendo publicadas em www.investors.ups.com em “Quarterly Earnings and Financials” e apresentadas à SEC como um anexo ao nosso Relatório Atual no Formulário 8-K.

Sobre a UPS

A UPS (NYSE: UPS) é uma das maiores empresas de entrega de pacotes do mundo, com uma receita de US$ 84,6 bilhões em 2020, e oferece uma ampla gama de soluções integradas de logística para clientes em mais de 220 países e territórios. Os mais de 540 mil funcionários da empresa adotaram uma estratégia que é declarada de forma simples e executada de forma poderosa: O cliente em primeiro lugar. Liderada por pessoas. Impulsionadas pela inovação. A UPS está comprometida em reduzir o seu impacto sobre o meio ambiente e apoiar as comunidades que atendemos ao redor do mundo. A UPS também assume uma postura forte e inabalável em apoio à diversidade, à igualdade e à inclusão. A empresa pode ser encontrada no site www.ups.com, com mais informações em about.ups.com e em www.investors.ups.com.

Declarações prospectivas

Este comunicado e nossos registros junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (Securities and Exchange Commission) contêm e no futuro podem conter “declarações prospectivas” dentro do significado encontrado na Lei de Reforma de Litígios de Valores Mobiliários Privados de 1995. Declarações diferentes daquelas de fatos atuais ou históricos, e todas as declarações acompanhadas de termos como “ir”, “acreditar”, “projetar”, “esperar”, “estimar”, “presumir”, “pretender”, “prever”, “almejar”, “planejar” e termos similares, têm a intenção de ser declarações prospectivas. Declarações prospectivas são feitas no âmbito das disposições de porto seguro das leis federais de valores mobiliários nos termos da Seção 27A da Lei de Valores Mobiliários dos EUA (Securities Act) de 1933 e da Seção 21E da Lei de Negociação de Valores Mobiliários dos EUA (Securities Exchange Act) de 1934.

De tempos em tempos, também incluímos declarações prospectivas verbais ou escritas em outros materiais divulgados publicamente. Tais declarações podem estar relacionadas às nossas intenções, crenças, previsões ou expectativas atuais sobre nossa direção estratégica, perspectivas, resultados ou acontecimentos futuros; elas não estão estritamente relacionadas a fatos históricos ou atuais. A administração acredita que estas declarações prospectivas são razoáveis como e quando feitas. No entanto, deve-se tomar cuidado para não depositar confiança indevida em declarações prospectivas, pois tais declarações dizem respeito apenas à data em que são feitas, e o futuro, por natureza, não pode ser previsto com certeza.

Declarações prospectivas estão sujeitas a certos riscos e incertezas que podem fazer com que os resultados reais sejam materialmente diferentes da nossa experiência histórica, expectativas atuais ou resultados previstos. Entre esses riscos e incertezas estão, entre outros: incertezas contínuas relacionadas ao impacto da pandemia de Covid-19 em nossos negócios e operações, desempenho financeiro e liquidez, em nossos clientes e fornecedores e na economia global; alterações de condições econômicas gerais nos EUA ou internacionalmente; concorrência significativa em base local, regional, nacional e internacional; alterações de relacionamentos com clientes significativos nossos; alterações do ambiente regulatório nos EUA ou internacionalmente; requisitos de segurança física ou de dados aumentados ou mais complexos; respostas judiciais, regulatórias ou de mercado às mudanças climáticas globais; resultados de negociações e ratificações de contratos trabalhistas; greves, paralisações de trabalho ou desacelerações por parte de nossos funcionários; efeitos das alterações dos preços de energia, inclusive gasolina, diesel e combustível de jato, e interrupções nos suprimentos dessas commodities; alterações das taxas de câmbio ou taxas de juros; incerteza sobre a esperada descontinuação da LIBOR e transição a qualquer outra referência de taxa de juros; nossa capacidade de manter a imagem da nossa marca; nossa capacidade de atrair e reter funcionários qualificados; violações de segurança de dados; interrupções na Internet ou em nossa infraestrutura tecnológica; interrupções ou impactos nos nossos negócios devido a acontecimentos ou desastres naturais ou causados pelo homem, inclusive ataques terroristas, epidemias ou pandemias; nossa capacidade de prever com precisão nossas necessidades futuras de investimento de capital; exposição a mudanças econômicas, políticas e sociais em mercados internacionais e emergentes; alterações de estratégia de negócios, regulamentos governamentais ou condições econômicas ou de mercado que possam resultar em comprometimento de nossos ativos; aumentos das nossas despesas ou obrigações de financiamento relacionadas à saúde dos funcionários, à saúde de aposentados e/ou a benefícios de aposentadoria; possíveis passivos fiscais adicionais nos EUA ou internacionais; possíveis reclamatórias ou litígios relacionados a trabalho e emprego, lesão pessoal, danos à propriedade, práticas comerciais, responsabilidade ambiental e outros assuntos; nossa capacidade de concretizar os benefícios previstos de aquisições, desinvestimentos, joint ventures ou alianças estratégicas; nossa capacidade de concretizar os benefícios esperados de nossas iniciativas de transformação; flutuações cíclicas e sazonais em nossos resultados operacionais; nossa capacidade de gerenciar despesas de seguro e sinistros; e outros riscos apresentados em nossos registros com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (Securities and Exchange Commission) periodicamente, inclusive o nosso Relatório Anual no Formulário 10-K para o ano encerrado em 31 de dezembro de 2020, e relatórios posteriormente apresentados. Recomenda-se levar em conta as limitações e os riscos associados a declarações prospectivas e não confiar indevidamente na precisão das previsões contidas nestas declarações prospectivas. Não assumimos nenhuma obrigação de atualizar declarações prospectivas para refletir acontecimentos, circunstâncias, mudanças de expectativas ou a ocorrência de acontecimentos imprevistos após a data dessas declarações.

Conciliação de medidas financeiras GAAP e não GAAP

Complementamos periodicamente a divulgação de nossas informações financeiras determinadas sob princípios contábeis geralmente aceitos ("GAAP") com certas medidas financeiras não GAAP. Algumas delas: benefícios e compensação "ajustados"; despesas operacionais; lucro operacional; margem operacional; outras receitas (e despesas); lucro antes dos impostos de renda; despesa com imposto de renda; alíquota efetiva; resultado líquido; e lucro por ação. Apresentamos receita e receita por peça com base na correção integral. Além disso, divulgamos o fluxo de caixa livre e o retorno sobre o capital investido ("ROIC”).

Acreditamos que essas medidas não GAAP forneçam informações significativas para ajudar os usuários das nossas demonstrações financeiras a compreenderem os nossos resultados financeiros e fluxos de caixa e avaliarem o nosso desempenho contínuo, pois excluem itens que podem não ser indicativos de nossas operações subjacentes ou que não estão relacionados com elas, e podem fornecer uma linha de base útil para analisar as tendências dos nossos negócios subjacentes. Essas medidas não GAAP são usadas internamente pela gerência para análise do desempenho operacional de unidades de negócios, para alocação de recursos de unidades de negócios e para calcular prêmios de compensação com fins de incentivo.

Recomenda-se que as medidas financeiras não GAAP sejam consideradas um complemento, e não uma alternativa, aos resultados declarados preparados de acordo com as normas GAAP. Nossas informações financeiras ajustadas não representam uma base abrangente de contabilidade. Portanto, nossas informações financeiras ajustadas podem não ser comparáveis a informações com títulos semelhantes declaradas por outras empresas.

Reestruturação e outros encargos

Lucro operacional ajustado, margem operacional, lucro antes dos impostos de renda, resultado líquido e lucro por ação podem excluir o impacto de encargos relacionados a programas de reestruturação, inclusive custos de estratégia de transformação e deteriorações de ativos. 

Alterações de taxas de câmbio e atividades de hedging

A receita em base cambial neutra, a receita por peça e o lucro operacional excluem o impacto de variações da taxa de câmbio e todas as atividades de hedging cambial em relação ao mesmo período do exercício anterior. Essas medidas são calculadas dividindo-se a receita, a receita por peça e o lucro operacional do período atual em dólares americanos pelas taxas de câmbio médias do período atual a fim de derivar a receita, a receita por peça e o lucro operacional do período atual em moeda local. Os valores derivados são então multiplicados pelas taxas de câmbio médias usadas para converter os resultados comparáveis de cada mês do período do exercício anterior (incluindo o impacto de atividades de hedging cambial em relação ao mesmo período do exercício anterior). A diferença entre a receita, a receita por peça e o lucro operacional do período atual declarados em dólares americanos e a receita, a receita por peça e o lucro operacional do período atual derivados em dólares americanos representa o impacto de atividades de hedging cambial e taxas de câmbio.

Ajuste de pensão a valor de mercado e após aposentadoria

Reconhecemos variações do valor justo de ativos do plano e perdas e ganhos atuariais líquidos acima de uma permanência de 10% para nossos planos de benefícios definidos para pensão e pós-aposentadoria imediatamente como parte de outras receitas (despesas) previdenciárias. Complementamos nossa apresentação de certos dados financeiros com medidas não GAAP que excluem o impacto de ganhos e perdas reconhecidos acima de uma permanência de 10% e os efeitos relacionados a impostos de renda. Acreditamos que a exclusão desses impactos a valor de mercado fornece informações complementares importantes ao remover a volatilidade associada a alterações de curto prazo em taxas de juros do mercado, valores de ações e fatores semelhantes.

Os efeitos de imposto de renda diferidos do ajuste de pensões a valor de mercado e após aposentadoria são calculados pela multiplicação dos ajustes pelas alíquotas estatutárias aplicáveis em cada jurisdição fiscal, incluindo a jurisdição federal dos EUA e várias jurisdições estaduais e fora dos Estados Unidos.

Fluxo de caixa livre

Calculamos o fluxo de caixa livre como os fluxos de caixa das atividades operacionais menos as despesas de capital, os proventos das alienações de propriedades, plantas e equipamentos, e mais ou menos as variações líquidas de contas a receber financeiras e outras atividades de investimento. Acreditamos que o fluxo de caixa livre é um indicador importante de quanto de caixa é gerado pelas operações contínuas da empresa e o utilizamos como uma medida de caixa incremental para investir em nossos negócios, estar em dia com nossas obrigações financeiras e devolver dinheiro aos acionistas.

Retorno sobre o capital investido

O ROIC é calculado como o lucro operacional ajustado de doze meses corridos dividido pela média da dívida total, de obrigações não correntes de benefícios previdenciários e pós-aposentadoria e do patrimônio líquido dos acionistas, no final do período atual e no final do período correspondente do ano anterior. Como o ROIC não é uma medida definida por GAAP, parte do nosso cálculo é realizado usando medidas financeiras não GAAP que acreditamos serem mais indicativas do nosso desempenho comercial contínuo. Consideramos o ROIC como uma medida útil para avaliar a eficácia e eficiência de nossos investimentos de capital em longo prazo.

Métricas não GAAP prospectivas

Periodicamente, ao apresentarmos métricas não GAAP prospectivas, não somos capazes de fornecer reconciliações quantitativas à medida GAAP mais estreitamente correlacionada devido à incerteza quanto à temporalidade, quantidade ou natureza de quaisquer ajustes que podem ser materiais em qualquer período.

Histórias relacionadas

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software